A VOZ DO PASTOR

Sábado, 26 Novembro 2016 11:51

NOVO TEMPO

Avalie este item
(0 votos)

A Igreja Católica abre o ano litúrgico com o tempo do advento, de expectativa e de esperança pela vinda do Senhor. Nas primeiras semanas, destaca-se a espera do seu retorno em glória: “Ficai preparados! Porque, na hora em que menos pensais, o Filho do Homem virá” (Mt 24, 44).

 

Faz parte da nossa fé: “Esse Jesus, que foi arrebatado dentre vós para o céu, virá do mesmo modo como o vistes partir para o céu” (At 1, 11). Professamos no credo apostólico: “subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos”. O credo niceno-constantinopolitano explicita: “de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim”.  

No tempo do advento, a Igreja renova a alegre expectação que constitui o epílogo do Apocalipse, em forma de súplica e de diálogo: “ Sim, venho muito em breve! Amém! Vem, Senhor Jesus” (Ap 22, 20). 

Perto do Natal, especialmente durante a novena, os textos litúrgicos insistem na vinda histórica do Verbo que se fez carne (Jo 1, 14), nasceu em Belém e de Maria Virgem (Lc 2, 4-7) por obra do Espírito Santo (Mt 1, 18). A dimensão salvífica destes acontecimentos ela é professada no credo apostólico e no niceno-constantinopolitano: “e por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus e se encarnou, pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria e se fez homem”.

As duas vindas do Senhor, o tempo do advento acentua. A propósito, ensina o bispo São Cirilo de Jerusalém: “Anunciamos a vinda de Cristo: não apenas a primeira, mas também a segunda, muito mais gloriosa. Pois a primeira revestiu um aspecto de sofrimento, mas a segunda manifestará a coroa da realeza divina”. Aliás, na solenidade do Natal, na missa da noite, se lê um trecho da Carta de Paulo a Tito, na qual as duas vindas são lembradas: “A graça de Deus se manifestou trazendo salvação para todos os homens. Ela nos ensina... a aguardar a feliz esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo” (Tt 2, 11-13).

É preciso, pois, aproveitar do tempo do advento, da riqueza de sua espiritualidade litúrgica e devocional, através das várias simbologias. A criatividade pastoral se servirá da coroa do advento, do presépio, da árvore natalina, entre outros símbolos, para expressar o itinerário a ser percorrido em quatro semanas de preparação.

A criatividade há de aproveitar a riqueza dos textos bíblicos, lidos na liturgia, para comentá-los e atualizá-los na vida dos fiéis. Os textos nos fazem seguir um caminho progressivo de compreensão para a aplicação prática. Esta inclui, acertadamente, o Natal dos pobres com a partilha de bens sempre necessária. De fato, é preciso favorecer a ceia dos empobrecidos. Portanto, que nenhuma Comunidade se esqueça de celebrar o Natal com os pobres! Inclua-se também a purificação por meio do sacramento da penitência para que ninguém se sinta impedido da comunhão eucarística na festa do nascimento de Jesus.

O repertório musical e cênico favorece a participação de todos nas novenas de Natal e na composição do presépio, em casa ou na Comunidade. A beleza musical e a teatral aproximam as pessoas entre si e todas de Deus. Os próprios anjos cantaram para atrair os pastores. Com arte e louvação, embelezaram a cena:  o Menino nos braços de sua Mãe.

 

Lido 321 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search