A VOZ DO PASTOR

Sábado, 18 Fevereiro 2017 11:04

Nosso Bioma

Avalie este item
(0 votos)

Durante o tempo da Quaresma, realizamos a Campanha da Fraternidade em todo o território nacional.

Este ano de 2017 tem como tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”. O lema bíblico é: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15). Somos chamados, mais uma vez, à “conversão ecológica”, conforme a feliz expressão do Papa Francisco.

 Bioma é vida e vida exuberante. Sem deixar de observar os demais, detemos nosso olhar mais atento sobre o nosso. Perspectivemos o conjunto de todos os seres vivos da região centro-sul do Ceará, cuja paisagem natural é semelhante, contínua e típica, comportando a vegetação, a água, os animais, os relevos, a terra ou superfície. O bioma também estabelece e até forja, em grande parte, o modo próprio de relacionamento dos seres humanos com a natureza em condicionamento recíproco. O sertanejo só existe na relação vital com seu bioma assim como o gaúcho do interior aos pampas e assim por diante. Daí a inclusão da cultura, da história, enfim, da religiosidade quando se abordam estas temáticas.

A Caatinga é nosso bioma dado por Deus e tem marca de exclusividade. É o único totalmente brasileiro. Quanto à palavra, origina-se do tupi-guarani e significa mata branca.  Alguns especialistas preferem chama-lo de Caatingas pela sua biodiversidade.

 Hoje, ao lado do antigo combate à seca, há o estímulo de convivência com o semiárido. Inclui as políticas públicas que ensejaram a rede moderna de infraestrutura social: energia elétrica, adutoras, telefonia, internet, etc.  Porém, permanecem carências estruturais, tais como a frágil infraestrutura da saúde, a escassez de saneamento básico e de tratamento de resíduos sólidos poluidores.

As Pastorais Sociais com a Cáritas Diocesana e as Comunidades Eclesiais de Base comprometem-se na convivência com o semiárido, mediante boas iniciativas e exitosas. Empenham-se na defesa da vida plena que inclui o respeito e o cuidado pelo bioma. Enfrentam os desafios ambientais, sociais e econômicos da região. Estimulam as políticas públicas de infraestrutura social. Denunciam as débeis ou inexistentes ou as intervenções agressoras. Promovem os pobres e empobrecidos.

Durante a Campanha da Fraternidade, somos estimulados por dois sacerdotes eminentes e inesquecíveis: Padre Ibiapina e Padre Cícero, ambos nascidos no Ceará. Eles incentivam nossa conversão ecológica atual. Ibiapina é o precursor da valorização da convivência com o semiárido. Ainda no século 19, inaugurou a implantação de águas das chuvas, a construção de açudes e as obras sócio–caritativas para e com as comunidades sertanejas. Cícero ensinava o sertanejo a viver no semiárido. Seus mandamentos ecológicos são um “catecismo” para cuidar da Caatinga, questão de vida ou morte, pois se não fossem obedecidos, dizia: “dentro de pouco tempo o sertão vai virar um deserto só”. Seus preceitos valem até hoje.

Para evitar o que chamamos atualmente de risco do desastre ecológico, Padre Cícero ensinava com sabedoria e simplicidade: “Não toquem fogo no roçado nem na caatinga; não cacem mais e deixem os bichos viverem; não criem o boi nem o bode, soltos; façam cercados e deixem o pasto descansar para se refazer; não plantem em serra acima, nem façam roçado em ladeira muito em pé: deixem o mato protegendo a terra para que a água não a arraste e não se perca sua riqueza; façam uma cisterna no oitão de sua casa para guardar água da chuva; represem os riachos de cem em cem metros, ainda que seja com pedra solta; plantem cada dia pelo menos um pé de algaroba, de caju, de sabiá ou outra árvore qualquer, até que o sertão todo seja uma mata só; aprendam a tirar proveito das plantas da caatinga, como a maniçoba, a favela e a jurema; elas podem ajudar vocês a conviverem com a seca”

A Campanha é educativa. Integra-se na quaresma devido à dimensão social e ecológica da fraternidade, mas não esgota a vivência quaresmal. Por isso, nós levemos a sério tanto a liturgia do tempo com seus textos bíblicos e as celebrações penitenciais quanto as devoções, sejam as vias-sacras, sejam as procissões. É o que diz muito bem o Texto-Base: “...estar em sintonia com o espírito da liturgia deste tempo e acolher a seiva da vida que ela nos oferece”. Portanto, atenção a esta sintonia!

Lido 586 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search