A VOZ DO PASTOR

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 718

Sexta, 03 Março 2017 21:03

Riqueza Espiritual

Avalie este item
(2 votos)

  A oração-coleta da missa do Primeiro Domingo da Quaresma indica a riqueza espiritual a ser sempre redescoberta: “progredir no conhecimento de Jesus Cristo” e “corresponder ao seu amor por uma vida santa”.

Ambas as súplicas se referem ao processo que dura à vida inteira, a partir do batismo.

A propósito, aos efésios, afirmara Paulo: “tereis condições para compreender com todos os santos qual é a largura e o comprimento e a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo o conhecimento para que sejais plenificados com a plenitude de Deus” (Ef 3, 18-19).  Portanto, a fonte cristã da compreensão é inesgotável; é sem limites.

Conhecimento e amor se completam e são fruto da oração, pois, são dons da benevolência divina. Por isso, o apóstolo dobra os joelhos diante do Pai para que conceda aos efésios, pelo poder do Espírito, conhecimento e amor (Ef 3,14). Dobrar os joelhos é mais do que uma força de expressão. Traduz a necessidade da súplica, humilde e insistente, a afim de que a revelação do mistério oculto seja acolhida.

Também nossas comunidades podem ser introduzidas em práticas ou em exercícios espirituais que favoreçam o que Paulo suplicou ajoelhado, até porque a Quaresma equivale a um retiro de 40 dias. Entretanto, já não faz parte da existência coletiva. Torna-se cada vez mais difícil vive-la a não ser por opção pessoal. Mesmo a comunidade de fé ou praticante se envolve na dissipação, deixando-se dispersar diante dos atrativos da distração.

A oração-coleta do Segundo Domingo da Quaresma, em alusão ao evangelho da Transfiguração do Senhor, suplica ao Pai: “alimentai nosso espírito com a vossa Palavra, para que, purificado o olhar de nossa fé, nos alegremos com a visão da vossa glória”.

A palavra do Pai é transmitida pelo Filho: Escutai-o!  (Mt 17,5).  A glória luminosa na “alta montanha” é o mistério da divindade, simultaneamente visível e invisível na humanidade do Cristo. No monte Calvário, é a mesma glória, ainda que ocultada pela carne desfigurada do Crucificado. No entanto, é manifestada, pois disse: “quando tiverdes elevado o Filho do Homem, então sabereis que EU SOU” (Jo 8, 28). Em ambas as percepções, a do corpo transfigurado e a do desfigurado, supõe a purificação do olhar na fé. Aliás, não são os puros de coração que verão a Deus?  Consequentemente, a Quaresma ainda pode ser um exercício de purificação do olhar para conhecer e amar desde este mundo o Cristo de Deus.

Existe sempre a possibilidade do divórcio entre fé e vida. Daí a oportunidade quaresmal do anúncio da mensagem com o apelo à conversão. Não é voltar-se para si, numa espécie de idolatria do próprio eu. É voltar-se para Deus, através do evangelho vivido. Na prática, corresponde ao seguimento, ao discipulado, à adesão ao Evangelho pleno.

A propósito, há uma frase do Mestre sempre desafiadora e especialmente para nossos dias: “pelo crescimento da iniquidade, o amor de muitos esfriará” (Mt 24, 12). Diante da afirmação, não se sabe o que é pior: o crescimento do mal ou o aumento da frieza no amor.  O certo é que quando cresce a maldade, o amor talvez não desapareça, mas se esfria e pode congelar-se. Não será esta a situação de tantos católicos indiferentes? Possa a Quaresma nos servir tanto de antídoto quanto de remédio. Para isto é preciso vive-la.

Lido 477 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search