A VOZ DO PASTOR

Sábado, 25 Março 2017 10:47

Confronto: Trevas e Luz

Avalie este item
(0 votos)

  O Quarto Domingo da Quaresma de nossa preparação para a Páscoa propõe-nos o simbolismo das trevas em confronto com a luz.

Elas estão presentes em textos bíblicos, com significados diversos, desde a temática da criação do nada: “as trevas cobriam o abismo” (Gn 1, 2). Entretanto, dentro do simbolismo conflitante, a luz é criação divina enquanto as trevas não o são. Tal linguagem simbólica da criação da luz nos ajuda a reler a Carta aos Efésios, segunda leitura do dia, na perspectiva do conflito entre a moral pagã, no significado das trevas, e a moral cristã, no significado da luz.  O paganismo é a escuridão da qual saíram os convertidos a Cristo, luz dos homens. Por isso, diz o apóstolo: “Outrora éreis trevas, mas agora vós sois luz no Senhor: andai como filhos da luz” (Ef 5, 8). Sendo os cristãos iluminados, Paulo os exorta ao comportamento moral: não viverem como pagãos.

As obras das trevas são resumidas em duas: fornicação e avareza, atitudes pessoais, que transpostas à vida pública, podem hoje se referir a primeira à licenciosidade dos costumes, à promiscuidade sexual e ao tráfico humano para tais fins; a segunda, à paixão pecuniária, que induz à especulação e à corrupção financeiras, à lavagem de dinheiro e negociatas, às práticas desonestas de levar vantagem.

Ao contrário, as obras da luz são motivadas pela imitação de Deus no itinerário do amor, “como Cristo nos amou e entregou-se a si mesmo por nós a Deus” (Ef 5,1). Seus frutos são condensados em três atitudes éticas fundamentais: bondade e justiça e verdade (5,9). Ser bondoso. Ser justo. Ser verdadeiro.

Escrevendo para o cristão que poderia ter retornado às “ obras infrutuosas das trevas” (Ef 5, 11), devido ao ambiente sedutor, cosmopolita e comercial da cidade de Éfeso, Paulo faz acordar: “Ó tu, que dormes desperta e levanta-te de entre os mortos, que Cristo te iluminará” (5,14).

A primeira leitura, que é de Samuel, narra a experiência da visão obscurecida ou iludida pela aparência. Deus é quem escolhe o rei Davi. Cabe ao seu profeta ungi-lo. No entanto, ele custa reconhecê-lo entre os filhos de Jessé, pois apenas enxergava as aparências, através de critérios superficiais, enquanto ”o Senhor olha o coração” (1 Sam 16, 7). Portanto, necessitava da luz do discernimento. Não discernir, segundo Deus, é uma expressão do obscurantismo das trevas.

Quanto ao evangelho, Jesus vê o cego de nascença (Jo 9, 1) que vive na escuridão. Nunca viu a realidade do mundo e das pessoas, embora pudesse senti-los e ouvi-los. Quão densas são suas trevas! Jesus ao cuspir no chão para fazer lama com a saliva fabrica um unguento, pois, para os antigos, a saliva possuía virtudes curativas.  Pondo a lama sobre os olhos do cego, unge-os. Faz a gratuidade da cura e da salvação, mas com a participação pessoal: “Vai lavar-te na piscina de Siloé” (9,7).

A narrativa é composta na ótica do confronto entre trevas e luz, desde as controvérsias sobre Jesus e o miraculado até sua excomunhão da sinagoga, desconsiderado como “nascido todo em pecado” (6,34). Também das trevas são aqueles que permanecem incrédulos, não compreendem e rejeitam Jesus (1,5. 9-10). A iluminação da fé, no entanto, é progressiva, de claridade em claridade. O próprio miraculado reconhece que Jesus é profeta (6,17). Só a seguir, é o Senhor. Ao prostrar-se reforça o que diz: “Eu creio, Senhor” (6, 38). Todavia, é Jesus quem toma a iniciativa de se deixar ver, atendendo ao desejo formulado (6,37); Ele o primeiro a ver o cego de nascença.

A mensagem da narração é o reconhecimento de Cristo, enquanto “luz verdadeira que ilumina todo homem” (1,9) e que “brilha nas trevas” (1,5). Consequentemente, a vivência cristã contém a esperança: “Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (8,12).  Luz que avança e dissipa as trevas da morte. A Quaresma evidencia este confronto vital, presente no mundo, na Igreja, nas sociedades e indivíduos, em cada um de nós até a morte e ressurreição.

Lido 726 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search