A VOZ DO PASTOR

Sexta, 07 Abril 2017 23:07

Entre Nós

Avalie este item
(0 votos)

  Com o Evangelho de Mateus, recordarmos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, a Paixão e a morte.

  Elas ainda nos provocam?  A Igreja que, na semana santa, sai às ruas e, através dos meios de comunicação social, chega às residências, crê na resposta positiva.  Jesus sempre provoca! Por isso, causa adesão e rejeição.  Na semana santa, Ele é posto pelos católicos no centro das atenções, pois celebramos publicamente a redenção. Pretendemos avivar a curiosidade da Jerusalém agitada a dizer: “Quem é este? ” (Mt 21, 10). 

Mateus descreve o acontecimento da morte de Jesus, após dolorosa Paixão, como sendo um evento público em meio às trevas que envolveram toda a terra do meio-dia às três horas da tarde. A morte   é associada à escuridão tenebrosa a simbolizar o reino da perfídia, da incompreensão e do banimento do Inocente (27,4). As trevas também servem para introduzir os sentimentos do Crucificado, em seu grande grito de interpelação, dirigido a Deus, lá pelas três horas da tarde: “Por que me abandonastes? ”  Na obscuridade da angústia e da amargura, Jesus se abre à confiança e salmodia intensamente. O grito é de lamentação e de confiança (cf. Sl 22 [21]), próprio de outros salmos, quando orar expressa um pedido ou grito de socorro.

As últimas palavras do Agonizante retomam o abismo da tristeza na oração ao Pai, simbolizada no cálice de dor não afastado. Expressava a alma estremecida, gemendo diante de Deus (cf. Sl 42, 2). Assim, no morro de Getsêmani e no monte do Gólgota, Jesus, ao orar os salmos, nos estimula a pedir, a esperar e a confiar. Intensifica sua oração ao ser abandonado pelos íntimos e, ao sentir-se abandonado pelo próprio Pai. Vive, então, a experiência trágica do humano sofrimento interior, sentido na subjetividade inatingível e em parte visibilizada: “Vós todos, que passais pelo caminho, olhai e vede: Há dor como a minha dor? ” (Cf. Lm 1, 12). Antes de entregar o espírito, dá outro grande grito, sem palavras. Segue o silêncio mortal. Somente os que sofrem, permanecendo no combate da fé, sintonizam na extensão universal do derradeiro grito. São alcançados e captam-no em “frequência modulada”. Agonizar com Cristo é a configuração mais íntima com o mistério da cruz.

Não se apagou a luminosidade que envolvia o Crucificado apesar das densas trevas do silêncio mortal. Não surpreende que o centurião O reconheça junto com aqueles que O guardavam: “De fato, este era o Filho de Deus” (Mt 27, 54), pois, sua morte se tornaria ensinamento para além das fronteiras de Israel. A morte do Justo abria as portas à fé dos gentios. Não O silenciava nem O obscurecia. Confirmava-O.

A morte de Jesus inaugura novo tempo para a história da salvação. Daí a linguagem apocalíptica a descrever o véu do templo rasgado, a terra se tremendo e as rochas se fendendo (27,51); os túmulos se abrindo e os corpos de santos ressuscitando vistos por muitos (27, 53).  Quer dizer que, desde a agonia e no instante do silêncio da morte, Jesus inaugurava um novo tempo e um novo culto e, descendo à mansão dos mortos, trazia a vida e a libertação definitiva para os que jaziam cativos na morte. É a vitória da vida no interior da morte.

A linguagem simbólica voltará na descrição do raiar do primeiro dia da semana e no grande terremoto (28, 1-3). Então, os símbolos nos projetam para além dos fatos.  Nada diz de trevas sobre a terra. Somente a claridade da aurora. O anjo mensageiro é de luz e de boas novas (28, 1.3). Não mais a morte ocupa a centralidade, ainda que vencida. O centro de interesse e do desejo é o encontro marcado com o Ressuscitado. Encontro com lugar marcado:  “Lá me verão” (v. 10).

 

O sepulcro estará para sempre vazio. Não é na sepultura que Jesus nos encontrará em espécie de relicário. Ele não nos deixa relíquias. Está vivo com os seus. Portanto, conosco.

Lido 118 vezes
Mais nesta categoria: « Vitória da Vida Fato E Notícia »

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search