A VOZ DO PASTOR

Sábado, 09 Setembro 2017 08:49

Livre da Lama

Avalie este item
(0 votos)

  Convém recordar: “A justa ordem da sociedade e do Estado que não se regesse segundo a justiça reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões” (Bento XVI. In: Deus Caritas est, 28).

 A afirmação extraída do ensinamento político de Santo Agostinho é de grande atualidade quando se avolumam notícias de corrupção em nosso amado Brasil.  Quer dizer que a política desligada da ética de seus executores é uma anomalia intrínseca. Quem assim procede age perfidamente contra seu povo.  

O Papa Francisco convidou recentemente os jovens brasileiros a construírem uma sociedade livre da corrupção. “Não tenham medo de lutar contra a corrupção e não se deixem seduzir por ela! ” O convite se deu quando eles encerraram o Projeto Rota 300, reunidos em Aparecida, comemorando os 300 anos do encontro da imagem da Padroeira do Brasil, no mês de julho passado.

O Papa recordava um fato pouco sublinhado a respeito dos três pescadores: “foram surpreendidos com uma imagem partida de Nossa Senhora, coberta de lama”. Realçamos a lama. Este simples detalhe, não desapercebido pelo Papa, nos faz contemplar o paradoxo da pequena imagem de Nossa Senhora da Conceição, enlameada pelo barro do rio, a toda santa e toda bela - a Imaculada-  em quem não se encontra nenhum vestígio da mancha do pecado da origem.  A lama da imagem é apenas sujeira. A própria água do rio a lavou pelas mãos dos pescadores.

 Quanto à lama do nosso País, trata-se da falta de ética de seus homens e mulheres aos quais lhes foram conferidos o poder de decisão e da representatividade -e pasmem- de impunidade. A limpeza precisará de muitas mãos. Talvez de muito tempo. Por isso, parece difícil lavar o rio de lama da corrupção na nossa política.  No entanto, é possível e há de ser feita. Ah! Se tivessem a humildade de confessar os pecados e pedirem a Deus perdão e misericórdia... Nem sequer, desculpam-se diante do povo.

A possibilidade da purificação da política se dá pela própria necessidade. Períodos de crise são tempo de enorme criatividade e de substancial transformação. Tornam-se períodos de responsabilização, de expectativa e de esperança.  Por isto, urge confiar, sobretudo, nas novas gerações. Tais jovens existem: acreditam no Brasil, estudam ou trabalham, e são esperançosos e generosos em contribuírem com seu sangue novo para mudanças significativas. Trazem consigo o futuro que começa, ao contrário das velhas raposas, cheias de perfídia e de cinismo. Por isso, o Papa disse a eles: “Vocês são esperança do Brasil e do mundo”.

A falta de renovação nos quadros humanos da política partidária, a ausência de ousadia criativa na economia e de distribuição da renda, o receio de mudanças qualitativas nos três poderes, o discurso conservador, repetido e ultrapassado, a apropriação indevida dos recursos públicos e a má gestão atrapalham, mas não conseguirão represar o novo que chegará e avançará em prol de um País mais justo.   

Papa Francisco estimula o jovem católico a se integrar em comunidades e comprometerem-se na construção de uma nova sociedade. Curioso: este Papa tem um discurso renovador e realiza práticas ousadas e criativas. Quer católicos comprometidos.

 Convida os jovens para que sejam o que devem ser: contemporâneos, ou seja, que permeiem com a força do Evangelho os ambientes sociais, políticos, econômicos e universitários. Incentiva que sejam protagonistas de uma cultura de aliança e gerem novos paradigmas que venham a pautar o Brasil. Repetidas vezes, adjetiva suas propostas com o novo. É um chamado à inovação.   

Quanto à purificação da política, retomemos o texto de Bento XV: “política e fé tocam-se”. (...) A fé “serve de força purificadora para a própria razão”. Referia-se à razão prática, isto é, à ética na política. A fé contribui “para fazer com que aquilo que é justo possa, aqui e agora, ser reconhecido e, depois, também realizado”. Portanto, que jovens e adultos de fé coerente contribuam com o testemunho pessoal a fim de que tenhamos a política digna deste nome. O povo brasileiro necessita e agradece. 

Lido 131 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Receba Notícias no E-mail

Cadastre seu e-mail e receba informações da Diocese de Iguatu

A Diocese de Iguatu

A Diocese tem uma dimensão territorial de 29 mil quilômetros quadrados, contento neste território 19 municípios, em sua circunscrição. Com uma população existente de 381 mil habitantes, residente em 67 mil domicílios, sendo destes domicílios 19 mil na zona urbana e 48 mil na zona rural.

Facebook

Search